Como a automação aumenta a eficiência dos edifícios


15 de Maio de 2015

Por Marc Howe*

Embora frequentemente associado à conveniência e ao conforto dos usuários, o conceito conhecido como BAS (Building Automation Systems) também é uma forma de aumentar e eficiência e reduzir o consumo de energia nas edificações. Um ponto-chave nesse sentido é o corte de custos relacionados com o uso desnecessário de equipamentos que consomem muita energia, como sistemas de ventilação, ar condicionado e iluminação.

De acordo com um estudo do governo australiano, ar condicionado e ventilação central (HVAC) geralmente respondem por 40% do total consumido num edifício. O custo com iluminação é maior nas residências, responsável por até 15% da energia dispendida.

O conceito BAS pode reduzir significativamente o consumo nesses dois itens, o que pode ser obtido por vários meios. O método mais simples é o agendamento automático – os equipamentos ligam e desligam em determinado horário do dia, ou num dia da semana, ou de acordo com as variações climáticas. Isso pode envolver o desligamento de certos aparelhos durante a época do ano em que seu uso não seja necessário, caso dos aquecedores no verão e do ar refrigerado no inverno.

Formas mais sofisticadas de redução de energia envolvem a regulagem dos sistemas HVAC conforme os níveis de temperatura externa, de forma que funcionem com a capacidade mínima exigida; e também o diagnóstico da performance do sistema, para identificar falhas ou ineficiências.

Um planejamento de BAS também é capaz de monitorar cada sala do edifício, detectando se ali há pessoas em atividade e, portanto, se é necessário manter luzes e HVAC ligados. Esse monitoramento é particularmente eficaz em grandes prédios, com níveis diferentes de ocupação durante o dia – casos de escritórios, prédios com dormitórios ou salas de repouso, onde é mais difícil se e quando as pessoas estão presentes.

Estudos oficiais já atestaram a redução dos custos como energia quando se adota a tecnologia BAS para monitorar os sistemas de um prédio. Por exemplo, um estudo da Comissão Metropolitana de Energia do estado de Minnesota apontou que essa diminuição chega a 15%, variando até US$ 4,96 por metro quadrado.

O mercado já está entendendo esses benefícios. Uma pesquisa da consultoria Navigant Research mostrou que a tecnologia BAS em instalações comerciais, que gerou negócios da ordem de US$ 59,3 bilhões em 2013, irá subir para US$ 86,7 bilhões em 2023, ou seja, mais de 46% em uma década. Além disso, esses sistemas passam agora a ser utilizados não apenas em grandes edificações, mas também nas de médio e até pequeno porte, segundo Benjamin Freas, da Navigant: “A adoção do BAS atende a diversos objetivos, como aumentar os níveis de conforto dos usuários, otimizar o uso da energia e cumprir as novas normas ambientais.”

Para ler o original na íntegra, clique aqui.